terça-feira, 29 de setembro de 2015

Waze: Índice de Satisfação do Motorista Mundial


Waze avaliou a experiência de condução de 50 milhões de usuários em 32 países e 167 áreas metropolitanas para criar o primeiro "Satisfaction Index driver" do mundo, uma única pontuação numérica de satisfazer (10) a miserável (1).

O Índice de Satisfação do Driver Waze é baseado em seis fatores-chave:
Tráfego Nível de frequência e gravidade dos congestionamentos
A qualidade das estradas e infra-estrutura
A segurança do motorista com base em acidentes, perigos da estrada e do tempo
Serviços de driver, como o acesso a postos de gasolina e estacionamento fácil
* Sócio-Econômica incluindo o acesso a carros e impacto dos preços do gás
"Wazeyness," o nível de utilidade e felicidade dentro da comunidade Waze


Melhores e piores lugares para ser um motorista? 

A experiência de condução holandesa não pode ser batida! Apesar do fato de que a Holanda é um dos países mais densamente povoadas do mundo - atrás de Bangladesh, Coréia do Sul e Taiwan - o país teve o melhor desempenho global e ultrapassou todos os outros países com a menor quantidade de tráfego.
Em um nível da cidade, Phoenix, Arizona tem as melhores condições de condução no mundo, com pouco tráfego e auto-identificados motoristas "felizes". 

Vários países latino-americanos, incluindo El Salvador e Guatemala são os lugares mais difíceis de ser um driver agora, ranking última devido à frequência e gravidade dos engarrafamentos, a falta de serviços de driver, e infra-estrutura rodoviária pobre.


Falemos de Tráfego

Os Países Baixos, Eslováquia, Suécia e República Checa todos relataram uma tarefa fácil, experiência de condução ventoso no Top 5. Acredite ou não, os EUA ea França têm parte do tráfego mais leve do mundo graças a cidades menores, com infra-estrutura adequada que é fácil Para navegar.

Em um nível da cidade, Manila informou o pior tráfego na Terra, com o Rio de Janeiro, São Paulo, e Jacarta não muito atrás.

Na verdade, a Indonésia teve o maior número de cidades na lista (8!) Inferir uma experiência de condução terrível em todo o país.




O poder da positividade

Waze foi construído em torno da crença de que estamos todos juntos nisso
. O aplicativo capacita os viajantes para compartilhar informações que possam
 manter um vizinho fora do tráfego, ou ajudar a salvar uma vida durante
 o tempo perigoso. Wazers pode até agradecer um ao outro pelos seus relatórios.

Este círculo de valores comunitários e boas vibrações gera o que 
chamamos de "Wazeyness" - um estado de espírito positivo
 - mesmo quando preso no trânsito. Então, onde estão os drivers mais
 Wazey?

Bélgica é o país mais Wazey na Terra, vencendo por instâncias de
 gratidão e motoristas que se consideram felizes motoristas indonésios
 são mais propensos a se sentir estressado ou infeliz (medida pelo Mood
 eles escolheram para representá-los no mapa Waze.) - Com oito cidades
 que ostentam o pior tráfego no mundo, que pode culpá-los?

Wazers chilenos são alguns dos mais positivo, enquanto os motoristas
 italianos são alguns dos mais frustrado - apesar Chile ranking do mal
 em vários índices e ratings de estrada estelares da Itália!
 Parece felicidade motorista é verdadeiramente um estado de espírito.







segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Homem vende carro usado por motivos de… Dilma


O mercado de carros seminovos está ‘bombando’ graças a… Dilma! Crise alavanca venda de carros usados graças ao endividamento dos Brasileiros

Nunca o brasileiro deveu tanto. Entre cartões de crédito, cheque especial, financiamento bancário, crédito consignado, empréstimos para compra de veículos, imóveis – incluindo os recursos do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), a dívida das famílias atingiu o maior patamar dos últimos 10 anos.
Com essa crise, a primeira coisa que um pai de família se desfaz, para não faltar comida na mesa, é do seu queridinho maior, o carro! Mas claro, não deixa passar batido sua indignação quanto ao governo, tamanha insatisfação! 

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Aberto para publicidade desde 2013, Waze atrai atenção do mundo automotivo



Dirigir com uma boa companhia faz diferença. Ela pode tornar o trajeto mais curto, facilitar a viagem ajudando a evitar perigos e complicações ou trocar experiências e conselhos. Mesmo que nada seja dito ou feito, saber que tem um parceiro por perto é um alívio. 
Crédito:divulgação
Julie Mossler é diretora de comunicação global do Waze
É mais ou menos assim que funciona o Waze, aplicativo de trânsito e navegação urbana e social. Utilizado por mais de cinquenta milhões de pessoas no mundo, ele chegou ao Brasil em junho de 2012 com trezentos mil wazers, como são chamados seus usuários. Atualmente já são 2,5 milhões em São Paulo e 1,5 milhão no Rio de Janeiro.

Entre outras coisas, ele permite que motoristas interajam e compartilhem informações sobre o trânsito em tempo real, ajudando a evitar congestionamentos, distribuir melhor os carros nas vias e, mais recentemente, encontrar rotas alternativas em dias de rodízio.

Aberto para publicidade desde 2013, o app tem atraído a atenção de anunciantes do mundo automotivo, que procuram estratégias para aumentar suas vendas. Marcas como Nissan, Caoa, Honda, Caçula de Pneus, entre outras, utilizam o aplicativo para indicar lançamentos, sugerir test-drives e lembrar trocas de pneu.

“Qualquer empresa localizada fisicamente em algum ponto da cidade pode captar clientes que passem por perto ou relembrá-los de que está próxima ao local onde eles se encontram”, explica Julie Mossler, diretora de comunicação global do Waze. Acompanhe a entrevista.

IMPRENSA Mídia – Quando o Waze abriu caminho para a publicidade no aplicativo?
Julie Mossler – A comercialização de anúncios no Waze teve início a partir do momento em que a empresa fez parceria com a IMS Internet Media Services (maior hub de mídias digitais da América Latina), em abril de 2013.

Houve resistência para incluir publicidade no Waze? Como tem sido o seu retorno?
Não houve resistência alguma para iniciar experiências publicitárias no Waze. Ao contrário, as empresas começaram a explorar rapidamente as diversas formas e a entender melhor como usar esse novo canal de comunicação para suas ações. Houve e há ainda um intenso trabalho de sensibilização das agências no sentido de compreender em que situações ele pode ou não ser usado. Diferentes marcas inovaram e continuam a inovar no aplicativo. Um exemplo é o Shopping Tacaruna, um dos mais movimentados de Recife, que disponibilizou as informações em tempo real fornecidas pelo Waze nos painéis informativos do estabelecimento, para que os clientes tenham a informação exata sobre o trânsito na hora de sair do shopping e evitar engarrafamentos.

Como foram as primeiras experiências publicitárias no aplicativo? Marcas de quais segmentos se interessaram?
Tivemos franquias de alimentação oferecendo descontos para usuários do Waze, lançamentos de imóveis, de carros, estacionamentos, bancos e muitas outras marcas que, basicamente, queriam fazer com que os Wazers aproveitassem a experiência de estar próximos ao local das ofertas dos anunciantes. Um dos primeiros cases foi o da Fiat, que não anunciou produto, mas deu dicas de onde os motoristas poderiam relaxar para escapar do estresse do trânsito, tais como cafés, shoppings etc.

Quais marcas do mercado automotivo estão fazendo publicidade no Waze? Que tipo de ações são feitas?
Estamos em uma época em que o consumidor está investindo mais no carro usado, em vez de adquirir um novo. Por isso, marcas como Fiat, Nissan, Volkswagen, Renault, Honda, DPaschoal, Caçula de Pneus, entre outras, não apenas indicam lançamentos e vendem o sonho do próximo carro, como também utilizam o Waze para sugerir test-drives, lembrar trocas de pneu, óleo e manutenção, indicar concessionárias e pontos de venda.

Diante desse interesse, o aplicativo é para todos os tamanhos de marcas?
Empresas de todos os tamanhos podem anunciar no Waze, desde o pequeno empresário até grandes marcas. Os anúncios vão de acordo com o budget de cada cliente. Acreditamos que qualquer empresa que esteja localizada fisicamente em algum ponto da cidade pode tirar muito proveito do Waze, pois pode captar clientes que passem por perto ou relembrá-los de que está próxima ao local onde eles se encontram.

Como funciona a ferramenta para mapear rodízio? Em quais cidades ela está disponível? Por que ela foi criada?
O Waze mostra um caminho alternativo fora da zona de restrição no qual os usuários podem dirigir durante o rodízio. Muitos usuários não sabem quais são as ruas e os horários permitidos para circular. Por exemplo, próximo ao Aeroporto de Congonhas não há rodízio e é possível ir da zona sul para a zona norte sem passar por zonas onde a placa não é permitida, usando caminhos mais longos. Para adicionar a placa no Waze, basta clicar em Menu, Configurações, Navegação, Restrição Veicular na Via e digitar os dois últimos dígitos de sua placa. Isso ajudará o wazer a evitar multas de trânsito nos dias de rodízio, encontrar automaticamente o caminho mais rápido fora da zona de restrição e escolher uma rota por meio de vias de tráfego permitido durante o horário de rodízio. A funcionalidade só está disponível em São Paulo, primeira cidade no mundo a ser escolhida para usar esse tipo de facilidade, nos sistemas iOS e Android.

O Waze tem mais de cinquenta milhões de usuários no mundo. Quantos estão no Brasil? Onde é mais utilizado?
O Brasil é sim um dos países com um grande número de usuários, inclusive apresenta um excelente engajamento dos wazers no compartilhamento de informações de trânsito. Não disponibilizamos os dados por país e sim por cidade. São Paulo conta atualmente com 2,5 milhões de usuários ativos e o Rio de Janeiro com cerca de 1,5 milhão.

A ideia de criar uma comunidade de motoristas para se ajudar mutuamente tem sido atingida no país?
O Brasil é um dos países mais colaborativos. Nossos usuários participam ativamente do fórum e dos beta testes das atualizações. Um bom resultado dessa grande colaboração é que o Centro de Operações do Rio de Janeiro (COR) fez parcerias com o Waze durante a visita do papa e no Rock in Rio para receber informações de trânsito em tempo real e monitorar melhor a cidade.

Qual o tamanho da equipe do Waze no Brasil? Como a empresa acompanha o feedback de seu público?
O Waze não tem equipe no Brasil. Conta com a assessoria de comunicação, que é o Grupo Casa, e mais de três mil Waze Champs, que são editores de mapas, pessoas dos perfis mais diferenciados, que atuam como voluntários, atualizando constantemente as informações. São engenheiros, estudantes, donas de casa, policiais, dentistas, biólogos, cardiologistas, entre outros. São pessoas interessadas em manter o Waze com a melhor informação nos mapas para que todos os usuários possam ter a melhor experiência no trânsito. Os wazers se comunicam constantemente através do aplicativo e do fórum oficial, isso ajuda a melhorar o serviço, os mapas e a receber sugestões de novas funções para melhorar o aplicativo constantemente.

Apesar das avaliações positivas do Waze nas lojas de aplicativos, alguns usuários reclamam de rotas pouco seguras ou em obras. O que é feito para evitar isso?
O Waze tem a função bloqueio, que permite aos motoristas reportarem e fecharem as ruas no mapa, em tempo real, ou alertarem sobre perigo na via, como no caso de obras, ajudando outros usuários a evitar atrasos desnecessários ou ter complicações durante suas rotas. Estamos sempre de olho em novas formas de melhorar a experiência do usuário ao dirigir com o aplicativo. Isso significa trabalhar em novas features, agregar novos usuários e aumentar o tempo que os wazers estão dirigindo com aplicativo. Tudo isso contribui. Quanto mais usuários, melhores serão os dados.

Qual a importância de usar o Waze em grandes cidades brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro?
A tecnologia permite que os usuários interajam e compartilhem informações sobre o trânsito, em tempo real. Dessa maneira, o aplicativo pode traçar rotas que evitem o trânsito, o que torna a vida nas cidades muito mais fluida e menos estressante. Por meio das informações coletadas, o Waze contribui para a distribuição dos carros de forma inteligente nas vias, economiza o tempo das pessoas no trânsito todos os dias e diminui o índice de consumo de combustível.

domingo, 13 de setembro de 2015

Cobra morde pênis de homem que se aliviava no meio do mato



Na Índia, agricultor de 46 anos levou um susto danado quando “tirava água do joelho” no mato. Poucos segundos após colocar pra fora e começar a urinar, uma cobra venenosa deu o bote e, ui!, mordeu o pênis do camponês.
A vítima correu risco de ter o amiguinho amputado e ficou hospitalizado por três dias. Logo após o ataque da cobra, identificada como víbora levantina, o agricultor ainda deu uma de valente e ficou três horas vendo o “instrumento” inchar sem nada fazer.
Encontro de ‘serpentes’
Depois desse período, ele não aguentou e saiu voando para o hospital. Na unidade de saúde, médicos observaram que o pênis da vítima estava coberto de bolhas e preto. Após o agricultor descrever o réptil que o atacou, os especialistas deram a ele o antídoto para combater o veneno.
O incidente envolvendo as duas “serpentes” aconteceu na Cordilheira do Himalaia, que é a mais alta cadeia montanhosa do mundo. De acordo com os médicos do Instituto Sher-i-Kashmir de Ciências Médicas, em Srinagar, Índia, após quatro dias de internação, o camponês recebeu alta já que o inchaço em seu órgão genital, que parecia uma bola de tênis, tinha diminuído.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Homem troca vara de pescar por drone e fisga peixe


O homem simplesmente substituiu a vara colocando a linha com anzol presa no drone e obteve êxito em sua pescaria inusitada

Um vídeo de pesca com drone está fazendo sucesso no YouTube. Derek Klingenberg, um fazendeiro do Kansas, EUA, substituiu a vara de pesca e colocou uma linha com um anzol presa no drone. E pasmem, não é que o peixe mordeu a isca… Assista ao vídeo!